Uma nova visão
sobre canabinoides
na prática clínica

Leia mais no conteúdo

Uma nova visão
sobre canabinoides
na prática clínica

Leia mais no conteúdo

Onde tudo começou…

A cannabis foi uma planta medicinal utilizada no passado por suas propriedades
medicamentosas. Os primeiros registros do seu uso medicinal remonta à China, onde ela era
cultivada há milênios para utilização como fibra, alimento e medicamento.

Nas últimas décadas no século XX, a ciência tem avançado no estudo da aplicabilidade da cannabis na rotina médica,
graças a indicações novas e cientificamente fundamentadas do seu potencial valor terapêutico. Isto deve-se em parte ao apoio
obtido nos meios de comunicação social e às elevadas expectativas em relação à sua segurança e eficácia.
A cannabis contém mais de 500 compostos ativos, dos quais pelo menos 100
são conhecidos como canabinóides chamados fitocanabinóides.
THC
(propriedade
psicotrópica)
CBD
(propriedade
terapêutica)
De acordo com o estudos científicos, os canabinoides
podem auxiliar na terapia das seguintes doenças:
Fonte imagem: Pagano C et al. Cannabinoids: Therapeutic Use in Clinical Practice. Int J Mol Sci. 2022 Mar 19;23(6):3344.
O QUE A CIÊNCIA DIZ SOBRE CANABINÓIDES NA PRÁTICA CLÍNICA?
O THC tomado por via oral geralmente atinge o pico na circulação dentro de 1 a 2 h, com níveis plasmáticos sanguíneos mais baixos do que os obtidos durante o fumo. Eles facilmente atravessam a barreira hematoencefálica e podem ser encontrados em grandes quantidades no cérebro.
Em contraste, o canabidiol CBD não psicoativo não afeta as funções motoras e cognitivas ou a temperatura corporal. Apresenta baixo nível de atividade para os receptores CB1 e CB2 e funciona como um agonista inverso para o receptor CB2 humano, contribuindo para seus efeitos anti-inflamatórios.

CANABIDIOL
E EPILEPSIA

A epilepsia é uma condição crônica de convulsões recorrentes que se apresenta na infância e surge do equilíbrio anormal de excitação-inibição dos neurônios no cérebro. Os canabinóides podem atuar como agentes neuroprotetores e também podem reduzir as respostas inflamatórias em pacientes com epilepsia.

Clinicamente, o canabidiol parece ter maior eficácia do que a planta inteira de cannabis para o tratamento de convulsões epilépticas.

No entanto, em relação ao próprio CBD, dois estudos abertos recentes, onde pacientes com epilepsia resistente ao tratamento receberam doses de CBD oral por 3 meses como terapia adjuvante aos medicamentos antiepilépticos atuais, encontraram resultados semelhantes: uma taxa de resposta de cerca de 50% e uma redução na frequência de convulsões semanais de pouco menos de 50%.

CANABIDIOL
E AUTISMO

O transtorno do espectro autista (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por déficits persistentes na comunicação social e na interação social, em múltiplos contextos, associados à presença de padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividades.

Crianças com autismo comumente apresentam comorbidades como hiperatividade, auto agressão, agressividade, inquietação, ansiedade e distúrbios do sono.

O tratamento médico convencional inclui medicamentos psicotrópicos, mas que podem levar a efeitos colaterais graves, como nefropatia, hepatopatia, síndromes metabólicas, entre outros. Infelizmente, 40% das crianças com autismo e comportamentos disruptivos não respondem bem ao tratamento médico e comportamental padrão.
A cannabis e os canabinóides têm efeitos muito promissores no tratamento dos sintomas autistas e podem ser usados ​​no futuro como uma importante alternativa terapêutica para aliviar esses sintomas, especialmente crises de automutilação e raiva, hiperatividade, problemas de sono, ansiedade, inquietação, agitação psicomotora, irritabilidade e agressividade.

No entanto, são necessários ensaios clínicos randomizados, duplo-cegos e controlados por placebo, bem como estudos longitudinais, para esclarecer os achados sobre os efeitos da cannabis e seus canabinóides em indivíduos com autismo.

ASSISTA AO ARTIGO COMENTADO SOBRE
UTILIDADE POTENCIAL DO CANABIDIOL

SEJA UM NUTRICIONISTA
INCLUSIVO E INTEGRATIVO

Acesse conteúdos variados
para otimizar seus estudos.

Referências

Artigo: Uso de cannabis e canabinóides no transtorno do espectro do autismo: uma revisão sistemática (2022) Referência: DOI: 10.47626/2237-6089-2020-0149 https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC9887656/

Artigo: Potencial Terapêutico da Cannabis, Canabidiol e Produtos Farmacêuticos à Base de Canabinóides (2022) Referência: DOI: 10.1159/000521683 https://karger.com/pha/article/107/3-4/131/821186/Therapeutic-Potential-of-Cannabis-Cannabidiol-and

Artigo: Canabinóides: Uso Terapêutico na Prática Clínica (2022) Referência: DOI: 10.3390/ijms23063344 https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8952215/